fbpx
Stay connected
Heart of God Church (Singapore)   pastorlia instagram
Pastor Tan Seow How (Pastor How)   pastorhow instagram
Pastor Cecilia Chan (Pastor Lia)   pastorlia instagram
Stay connected
pastorlia instagram
Heart of God Church (Singapore)
pastorhow instagram
Pastor Tan Seow How (Pastor How)
pastorlia instagram
Pastor Cecilia Chan (Pastor Lia)

English | Deutsch | Português

Coronavírus: Como as Igrejas devem Responder? (Parte 2)

Fechar ou Continuar – Existe uma opção melhor?
Duração: 3 minutos de leitura
Translated by Pastor Felipe Parente, Senior Pastor, Bola de Neve Brasília

Olá novamente, esta é a Parte 2 de nossa resposta à crise do Coronavírus e os processos de decisões por trás da #HOGCdescentralizada. Se você não leu a Parte 1, ela pode ser encontrada aqui.

Para relembrar, existem 4 áreas a serem consideradas:

  1. Sustentabilidade (Sustainability)
  2. Cenários (Scenario)
  3. Sentimentos (Sentiment)
  4. Igreja Dispersa (Scattered Church)

A terceira área em que pensamos foi sobre os SENTIMENTOS das pessoas, nomeando dois grupos – os membros de sua igreja e a opinião pública.

Mais importante, os seus planos devem dar aos seus membros a segurança de que sua saúde é a preocupação principal. Acima disso, a liderança deve encontrar o ponto ideal entre falar demais sobre o assunto e o não reagir sobre o assunto.

Não reagir enviará um sinal de que o assunto não está sendo levado a sério. Então tirar sarro dos medos das pessoas ou então ingenuinamente desafiar os membros para terem uma hiper fé, não irão ajudar. Uma das razões QUE aumentaram o descontrole ao nível pandêmico foi devido ao “alarmante número de inatividade” de alguns países. Líderes das igrejas devem comunicar claramente, de maneira constante, para que seus membros se sintam seguros.

Por outro lado, se os planos da igreja é ir “empurrando com a barriga”, então a mensagem que se enviará uma mensagem de perda de controle.
Portanto, ter um plano master que inclua diferentes níveis de ação, em cenários distintos, é a chave (Parte 1). Seus membros precisam ser certificados que você está respondendo à crise, e não apenas reagindo a ela, como a Pastora Lia compartilhou (vídeo abaixo). Além disso, se os planos de contingencia forem drásticos demais, também enviará um sinal de pânico.

What to Do in a Crisis | Pastor Cecilia Chan (Pastor Lia)

Então, é uma dança delicada…um equilíbrio para não dar alarme falso com frequência; não gritar em desespero, e nem enterrar a cabeça na areia.

O outro sentimento a se considerar é a opinião pública.

Esse é o tempo para igrejas e Cristãos serem um bom testemunho, e até mesmo um modelo para nossa comunidade. Igrejas não podem ser vistas como irresponsáveis, ou ingênuas. Também não podemos ser vistos como cheios de medo ou em auto-preservação. Foi por isso que Descentralizamos, e ao mesmo tempo liberamos cerca de 500 voluntários que comandam nossos cultos, para que fossem à comunidade, os encorajando a servir e encorajar os trabalhadores que estavam no front de enfrentamento.

Em nossa experiência, aprendemos o pânico e a paranoia da opinião pública vai reduzir depois de um tempo (se a proliferação estiver sendo contida). A população, em geral, irá se acostumar com o novo normal. Então você apenas terá que superar os medos iniciais.

Em Singapura, durante as semanas iniciais, duas igrejas foram atingidas com ondas de infecções. Na Coréia do Sul, um grande grupo religioso foi atingido também. Mesquitas também foram fechadas. Então houve uma atenção dúbia que mostrava que reuniões religiosas eram particularmente vulneráveis.

Para a HOGC, continuar com grandes ajuntamentos, poderia ser percebido como a igreja sendo irresponsável. Isso incluiria a opinião dos familiares, amigos e dos próprios membros. Então, decidimos não ir contrário a esses sentimentos porque queríamos poupar nosso “estoque de credibilidade”, para usarmos na Páscoa. Nós ainda queremos convidar familiares e amigos para as nossas reuniões na Páscoa, seja em cultos grandes, ou pequenos grupos. Então é importante para nós, nos planejarmos antecipadamente, encontrar um ritmo, e usar nossa “credibilidade” para o evento mais importante.

Na Parte 3, irei falar sobre a igreja DISPERSA: como nós tivemos mais pessoas que foram salvas e se comprometeram com a igreja, durante a crise do Coronavírus.

Você conhece alguns pastores ou líderes que possam achar esse artigo útil?
Aqui está um link que você pode compartilhar com eles: pastor.how/covid-pt2

You Might Also Like

0 Comments

    Leave a Comment

    Your email address will not be published. Required fields are marked *